© 2023 por Nome do Site. Orgulhosamente criado com Wix.com

USOS E COSTUMES

Na Aldeia Fundeira todas as famílias tinham gado, ovelhas e cabras, e do seu leite produziam queijo.

 

Diariamente o gado era levado para os pastos circundantes onde pastavam muitas vezes em conjunto.

 

Os pastores, geralmente muito novos, reuniam-se no Terreiro das Seladas para brincarem  à bilharda, às escondidas, ao pião, à barra do lenço, etc.

 

Praticamente todas as famílias tinham um pátio em suas casas, onde os porcos eram engordados, com batatas e verduras provenientes das hortas e cozinhadas nas panelas, ao calor das lareiras.

 

Diariamente eram roçados um ou mais molhos de mato, para serem colocados nos pátios e currais, onde os animais eram guardados. Os seus excrementos, juntamente com o mato (estrume) eram usados como adubo para fertilizarem as terras.

 

Nas encostas circundantes onde houvessem terras férteis e hortas, não ficava um palmo de terra por cultivar, pois onde não podiam ir os burros ou as juntas de bois (quem os tinha), ia o braço do homem com a enxada ou ancinho.

 

As culturas dominantes eram as da vinha, batatas, milho, feijão, couves, e centeio.  Fazia-se depois as vindimas e fabricava-se o vinho caseiro;  apanhava-se o medronho e fabricava-se aguardente;  apanhava-se a azeitona e fabricava-se o azeite;  apanhava-se e secava-se a castanha e fazia-se a exploração das colmeias.

 

Devido à extensa mancha de pinhal, existiam na Aldeia Fundeira os resineiros e madeireiros que faziam a apanha da resina e a limpeza e abate do pinhal.

 

Existiam artesãos que vieram alcunhar algumas famílias;  o «ferreiro» que em forja primitiva aquecia e malhava o ferro para moldar as ferramentas necessárias aos vários trabalhos (ancinho, enxada, sacho, machado, roçadoura, etc.);  o «sapateiro» que faziam os tamancos e sapatos de brochas;  o «ferrador» para substituir os canelos dos bois e as ferraduras dos burros; o «carpinteiro» para substituir as tábuas do sobrado ou caibro podre do telhado, fazer portas ou janelas; e os «pedreiros» para a construção de casas, muros e currais.

A matança do porco juntava os homens da aldeia que o desmanchavam, e colocavam as carnes em salgadeiras (única forma de conservar as carnes durante o ano);   as tripas eram  lavadas no ribeiro pelas mulheres para fazerem os enchidos.